interminado

junho 5, 2010

Será que as pessoas se intimidam com a minha presença? Será que eu não sou mais bem vindo ? Não consigo encontrar uma resposta pra isso, mas eu tenho quase certeza de que as respostas são, sim eu intimido e não, não sou bem vindo. Não lembro de ter feito nada para ninguém, mas consequentemente pareço não ser mais uma pessoa próxima dos meus próprios amigos.

Hoje eu percebi que as pessoas que eu sempre quis que ficassem perto de mim, não sentem minha falta quando não estou e nem ao menos se esforçam para ter a minha presença.

Bom, vou finalizar por aqui, deixar minha dúvida na mesma situação do meu texto, interminado.

Anúncios

Meu melhor amigo sou eu mesmo.

junho 2, 2010

Hoje o dia parece calmo. O frio me faz bem, o vento me faz bem, parece que ele leva um pouco dos meus pensamentos impuros e problemas para longe de mim , pelo menos por alguns instantes. Tudo aos poucos vai tomando forma novamente, deixando de ser o abstrato indefinido, alguém sem sentido que apenas oculpa um lugar no universo, algo aleatório, sem vida e simplesmente descartável.
Acho engraçado como olhar pela janela me trás respostas para a maioria das perguntas que eu faço a mim mesmo, sobre a vida, amores, desejos, sonhos, futuro, resolução de problemas passados, sobre tudo mesmo. Incrivel como meu melhor conselheiro sou eu mesmo e como a solidão é minha melhor amiga, meu inconsciente me faz companhia e com isso, se torna meu mentor.
Não se enganem com minhas palavras, sei que preciso ter pessoas em minha vida, apenas digo que eu vivo vem no meu mundo sozinho, mas que a solidão mesmo me fazendo bem, a longo prazo, poderá me fazer muito mal. Queria muito ter alguém de confiança comigo, um amor, uma companheira, mas ainda não encontrei essa pessoa e todas as outras que passaram pela minha vida, não provaram valer a pena. Seus erros infantis mostraram o quanto me enganei em optar por ficar perto e com isso, resolvi ficar longe.
a vida é assim, quanto mais se quer, menos se tem, quanto menos se quer, o que se tem ganha mais valor. Estou descobrindo o valor das coisas simples, e assim, eu continuo trilhando meu caminho, pela rota mais simples, sozinho com meus pensamentos, muitas vezes sem fundamentos, mas que substituem a necessidade de ter alguém.

Discrente.

junho 2, 2010

Vejo as pessoas passarem por mim e sorrirem, mas não sei o motivo de tudo isso. Parece que só eu não vejo a beleza das coisas, o brilho nos olhos, a alegria no meu próprio peito. Apesar de tudo, com esse meu jeito frio, eu passo a sentir menos dor, me machuco menos, mas de certa forma, eu ainda me sinto desequilibrado nesse mundo, sinto que ainda perco mais do que ganho, sinto que tudo o que eu faço, machuca alguém que eu amo, mas não sinto mais a dor que entra no peito dos mesmos.
Estou me sentindo tão discrente,  não sei mais se acredito em Deus ou até mesmo nos homens. Parece que tudo isso relacionada a religião não passa de pura babaquice agora e que todas as mãos que eram estendidas a mim, hoje se recusam a me segurar ou até mesmo, me empurram para o abismo.

Nada mais parece ter sentido, tudo parece somente acontecer por acontecer, sem ter mais os tais motivos que giram em torno das coisas, apenas só mais uma coisa exporádica na vida dos homens e apenas mais uma “benção” sem finalidade, para aqueles que creem.

O mundo continua girando, mas não tem mais nada que gire em torno dele para mim. Meus motivos para viver estão desaparecendo completamente, apenas vivo por viver e pela escrita, que sei que ainda vai me levar a algum lugar, longe desse buraco que eu chamo de “lar”, longe dessas pessoas mediocres que um dia eu ousei em chamar de “amigos” e principalmente, longe daqueles que sugam minhas forças vitais, destroem meus sonhos e finjiram me amar, mas não perderam a primeira oportunidade de me apunhalar pelas costas.
Tiraram todas as oportunidades da minha vida, tiraram todos os sentimentos do meu ser, tiraram o sorriso que estampavam o meu rosto, mas ainda deixaram o motivo que faz bater meu coração, a esperança de sair dessa foça e descobrir o meu lugar ao sol, aonde só irá existir minhas palavras, meus pensamentos e meus sonhos.

Liberdade

junho 1, 2010

Passei muito tempo da minha vida pensando em formas de me libertar da minha familia, ou pelo menos, da dependência que eu tenho dela. Continuo lutando por isso, pela minha liberdade, girar em torno do meu mundo, não ficar preso a ninguém, independência total, viver “solitariamente” em um mundo construído por mim para mim.

Depois que o criei, tudo pareceu tão insosso, tão vazio, tão chato, que resolvi povoá-lo, colocando pessoas dentro do meu mundo particular, para quem sabe desfrutar de sentimentos que jurei não mais fazerem parte de mim. Esse foi meu erro, achar que montar uma sociedade dentro de mim fosse me mostrar o brilho da vida e também clarear minha alma. Fracassei por pensar que as pessoas escolhidas eram dignas de tal valor que as dei, por serem portadoras de um caráter que as seguiam, mas que no primeiro descuido, cairam como máscaras de porcelana ao chão, se partindo em milhares de partículas e sendo varridas para bem longe pelo vento.

Meu erro foi acreditar na dignidade e consciência de certas pessoas, algo que eu tinha deixado de fazer para evitar me ferir. Agora vejo que realmente foi o melhor a fazer, por ver que ninguém pode ser digno de tal papel nesse mundo, no meu mundo.

A liberdade são as asas que te levam para longe de tudo, te afastam das pessoas, mas te mostram como viver sem depender de nada nem ninguém. É preciso muito mais do que dinheiro para ser livre, é preciso ter coragem de carregar o peso de todos os atos da sua vida nas costas para sempre, e isso eu tenho, já provei para mim mesmo.

Vivo

maio 18, 2010

Os poetas mortos renasceram em mim. Vivo de poemas, de sentimentos, de frustrações principalmente amorosas, de cores, de dores, com rancores, mas sempre visando um objetivo comum da felicidade, mesmo quando tudo que se tem é a dor.

Vivo do repente, vivo do momento, vivo do olhar, do sentimento.

Vivo da bateria, vivo dos tambores, vivo da batida, dos rimadores.

Vivo dos protestos, vivo dos meus versos, vivo indo pra frente com meus olhos sempre abertos.

Vivo de conceitos, vivo de temores, do preconceito, dos ditadores.

Vivo dos massacres, vivo de desfalques, vivo das batalhas, dos mil anjos, dos destaques.

Vivo de tudo que ronda a vida, vivo na vida de rondar tudo, vivo do absurdo, do fim do mundo, do mar, das almas, das matas, dos animais, das coisas vivas, coisas reais. É disso que eu vivo, é isso que eu sou, sou tudo e ao mesmo tempo sou nada, sou a cruz e a espada, sou a vida e a morte ao mesmo tempo, sou o bem e o mal, homem/animal, mas na verdade, sou um mero mortal, que apenas vive a vida.

Eu nunca mais vou te incomodar, pode ter certeza.

maio 2, 2010

Você me disse que ia durar pra sempre, mas o pra sempre durou tão pouco. Não tive tempo de planejar um segundo plano, ou pelo menos juntar forças para permanecer em pé. Mas tudo bem, eu sei bem como é , a gente segue em frente e seja o que deus quiser, né?

Já que tudo não passa de um jogo, vamos fazer uma aposta. Coloque as cartas na mesa e jogue com tudo que tiver, pois dessa vez serão dois jogadores, não apenas você.

Não brinco com sentimentos, muito menos crio ilusões ou expectativas se não me interessa, como você fez. Agora você estará lhe dando com o homem frio, não com o garoto sonhador, então é melhor jogar sério, pois a brincadeira acabou.

Não quero mais ser o único que vive de mentiras e foi ontem mesmo, que você pediu para eu pegar todas as minhas coisas e partir de manhã. É , foi isso que fiz, peguei tudo o que era meu e parti rumo a lugar nenhum, mas para longe de você. Só tenho uma coisa a dizer agora. . . eu nunca mais vou te incomodar, pode ter certeza.

Por eu tomar essa decisão, não quer dizer que eu ainda não te ama, mas sim que eu nunca mais vou olhar para o horizonte e esperar ver seu rosto. Cresci muito com a dor, se isso é o melhor pra mim, realmente não sei, mas prefiro esquecer que tenho coração do que derrubar uma lágrima para quem me deu as costas, como você fez.

Mudanças

maio 1, 2010

Me sinto diferente, me vejo de outros ângulos, coisa que nunca havia feito antes. Me sinto . . . “estranho” , por de repente mudar meu jeito de ser, meu jeito de agir, pensar, ver as coisas, fazer. Mudei quase que completamente em todos os sentidos, amadureci muito em questão de dias, coisas que em vinte e poucos anos eu não consegui fazer.

Não me sinto mal por ter mudado tanto, mas me vejo “perdido” dentro de mim. Muitas coisas que eu amava perderam a graça e muitas coisas que eu nem notava, passaram a ser tão belas e preciosas para mim.

Não sei como tudo isso aconteceu, muito menos sei explicar o por que, mas de certo modo, tudo isso está me fazendo bem, mesmo ainda me fazendo mal. A males que vem para o bem? Isso com certeza, mas não me sinto mal, apenas mudei de postura, coisa que nunca aconteceu comigo. É estranho, mas não desconfortavel a situação, apenas por ser uma novidade pra mim, mas novidades raramente são ruins.

Se vale apena embarcar nessas mudanças eu não sei, mas isso tudo me fez crescer , então, vou arriscar nas incertezas mesmo que isso me custe caro demais, tudo em nome da liberdade e de uma vida melhor.

.

abril 30, 2010

Difícil distinguir o que é verdadeiro do que é mentira. Hoje, tudo se confunde, todos se iludem, todos sofrem ou pecam por mentir, principalmente quando o assunto é sentimento, mais especificamente, amor.

Tento não mais pecar, nem ao menos tentar ou buscar saber o que as pessoas sentem. . . dizem sentir. Basta um olhar e um sorriso mais singelo para ouvir o tal do “eu te amo” .

As pessoas confundem muito tratar bem com interesse, coisas que não necessariamente andam juntas. Com isso, muitos metem os pés pelas mãos por algo que nunca passará de ilusão.

A frieza veio bem a calhar, evita desilusões, constrangimento e reações mais explosivas e isso é tudo que eu não quero pra mim agora.

Sem forças

abril 14, 2010

Não tenho forças para lutar, não tenho forças para andar, não tenho forças para levantar, não tenho forças para reagir. Não consigo mais interpretar nada, não consigo ver beleza em nada, não consigo sorrir.

Se ela sabe que tudo isso me mata um pouco a cada dia que passa, por que ela continua?

Não sei mais ao que recorrer, rezas, orações, pensamentos, rituais, livros, música, ou simplesmente o isolamento. Nada parece dar certo, nada parece nem ao menos surtir algum efeito, tocar aquele coração.

Me sinto inútil, não só por não conseguir mais ver as coisas mais simples do mundo, como o vento e o sol, mas por não conseguir permanecer na vida de quem eu mais amo.

Sua doença não é no coração, mas então por que ele apodreceu?

Não conseguiu notar todo o esforço e sentimento que coloquei para que você ficasse bem novamente. A unica pessoa em que eu realmente me entreguei para fazer feliz foi você, não pedi nada em troca, nem um eu te amo eu implorei, nem um abraço eu pedi, mas nunca te neguei nada e agora você me nega o direito de te amar e de brinde eu levo depressão e culpa, por não ser honrado para estar ao seu lado.

Nenhum poeta me disse, mas eu sei.

abril 11, 2010

Não sei dizer se é realmente o ponto onde isso tudo acaba, ou se é apenas um marco que separa as eras, as idades ou os capítulos de uma vida. Não sei como julgar, mas sei que acontecerá, se já não aconteceu agora.

Tento até agora fazer das impossibilidades possíveis, do esforço vitória, da tempestade um dia ensolarado e contos de fadas em histórias verídicas. Consegui muitas vezes efetuar esses atos, mas nunca consegui te entender.

Sempre soube que seria difícil, mas nunca considerei ter você impossível. Não cometi falha alguma, talvez só uma, me entregar sem medo. Me arrependo? não, mas deveria ter dado tempo ao tempo e deixado tudo acontecer naturalmente.

Sei que não foram meus impulsos que nos separaram, também sei que não foram meus vícios, meus atos nada impróprios, minha impulsividade ou meus medos que te fizeram partir, mas mesmo a culpa não sendo nada minha, o peso de tudo sou eu quem levo.

Sei que é difícil pra ti passar por tudo isso, não sei se eu aguentaria firme como está aguentando, parece aguentar, mas sei que todos os dias chora sentada ao canto da cama, tentando entender os porques de tudo isso e mesmo esboçando a desistência de tudo, sei que isso não passa pela sua cabeça.

Vivemos poucos, mas ótimos momentos juntos. Muitas brigas, mas com muitos momentos carinhosos também, isso não pode negar. Lembro como se fosse hoje, tudo me vem como um filme na cabeça, eu cheguei e logo te avistei, você no telefone nem me notou, mas quando viu, deu um sorriso, olhou dentro dos meus olhos e pegou na minha mão, para andarmos por ai. Nunca vou esquecer essa cena, muito menos do fim desse dia lindo.

Queria poder mudar algumas coisas, queria poder te dar forças, queria poder enfrentar isso contigo, queria ainda estar ao seu lado e queria não me sentir inútil nesse momento importante da sua vida.

Parece que a história acaba aqui. Sinto que uma parte de mim morreu com tudo isso e  quando damos o ultimo suspiro é que descobrimos o quanto somos inúteis!      nenhum poeta disse, mas eu sei.