Archive for abril \30\UTC 2010

.

abril 30, 2010

Difícil distinguir o que é verdadeiro do que é mentira. Hoje, tudo se confunde, todos se iludem, todos sofrem ou pecam por mentir, principalmente quando o assunto é sentimento, mais especificamente, amor.

Tento não mais pecar, nem ao menos tentar ou buscar saber o que as pessoas sentem. . . dizem sentir. Basta um olhar e um sorriso mais singelo para ouvir o tal do “eu te amo” .

As pessoas confundem muito tratar bem com interesse, coisas que não necessariamente andam juntas. Com isso, muitos metem os pés pelas mãos por algo que nunca passará de ilusão.

A frieza veio bem a calhar, evita desilusões, constrangimento e reações mais explosivas e isso é tudo que eu não quero pra mim agora.

Anúncios

Sem forças

abril 14, 2010

Não tenho forças para lutar, não tenho forças para andar, não tenho forças para levantar, não tenho forças para reagir. Não consigo mais interpretar nada, não consigo ver beleza em nada, não consigo sorrir.

Se ela sabe que tudo isso me mata um pouco a cada dia que passa, por que ela continua?

Não sei mais ao que recorrer, rezas, orações, pensamentos, rituais, livros, música, ou simplesmente o isolamento. Nada parece dar certo, nada parece nem ao menos surtir algum efeito, tocar aquele coração.

Me sinto inútil, não só por não conseguir mais ver as coisas mais simples do mundo, como o vento e o sol, mas por não conseguir permanecer na vida de quem eu mais amo.

Sua doença não é no coração, mas então por que ele apodreceu?

Não conseguiu notar todo o esforço e sentimento que coloquei para que você ficasse bem novamente. A unica pessoa em que eu realmente me entreguei para fazer feliz foi você, não pedi nada em troca, nem um eu te amo eu implorei, nem um abraço eu pedi, mas nunca te neguei nada e agora você me nega o direito de te amar e de brinde eu levo depressão e culpa, por não ser honrado para estar ao seu lado.

Nenhum poeta me disse, mas eu sei.

abril 11, 2010

Não sei dizer se é realmente o ponto onde isso tudo acaba, ou se é apenas um marco que separa as eras, as idades ou os capítulos de uma vida. Não sei como julgar, mas sei que acontecerá, se já não aconteceu agora.

Tento até agora fazer das impossibilidades possíveis, do esforço vitória, da tempestade um dia ensolarado e contos de fadas em histórias verídicas. Consegui muitas vezes efetuar esses atos, mas nunca consegui te entender.

Sempre soube que seria difícil, mas nunca considerei ter você impossível. Não cometi falha alguma, talvez só uma, me entregar sem medo. Me arrependo? não, mas deveria ter dado tempo ao tempo e deixado tudo acontecer naturalmente.

Sei que não foram meus impulsos que nos separaram, também sei que não foram meus vícios, meus atos nada impróprios, minha impulsividade ou meus medos que te fizeram partir, mas mesmo a culpa não sendo nada minha, o peso de tudo sou eu quem levo.

Sei que é difícil pra ti passar por tudo isso, não sei se eu aguentaria firme como está aguentando, parece aguentar, mas sei que todos os dias chora sentada ao canto da cama, tentando entender os porques de tudo isso e mesmo esboçando a desistência de tudo, sei que isso não passa pela sua cabeça.

Vivemos poucos, mas ótimos momentos juntos. Muitas brigas, mas com muitos momentos carinhosos também, isso não pode negar. Lembro como se fosse hoje, tudo me vem como um filme na cabeça, eu cheguei e logo te avistei, você no telefone nem me notou, mas quando viu, deu um sorriso, olhou dentro dos meus olhos e pegou na minha mão, para andarmos por ai. Nunca vou esquecer essa cena, muito menos do fim desse dia lindo.

Queria poder mudar algumas coisas, queria poder te dar forças, queria poder enfrentar isso contigo, queria ainda estar ao seu lado e queria não me sentir inútil nesse momento importante da sua vida.

Parece que a história acaba aqui. Sinto que uma parte de mim morreu com tudo isso e  quando damos o ultimo suspiro é que descobrimos o quanto somos inúteis!      nenhum poeta disse, mas eu sei.

Depois de tantas vírgulas, coloco este ponto final.

abril 7, 2010

Não sei o que está sendo pior para mim, não conseguir esquecer o passado ou continuar tentando fazer ele virar futuro. Tem coisas que é melhor se esquecer, remexer em cova fechada sempre trás sofrimento, as vezes lembranças que podem ser até boas, mas sempre juntas de sofrimento.

Hoje me deparei com isso, tentei trazer o passado de volta, mas vi que nada disso passou de uma mera má interpretação de conteúdo ilusório, que só me trouxe a tona , que eu ainda coloco o coração na frente da razão.

Posso não ser o cara certo, mas nunca parei de tentar. Acho que esse foi meu erro, insistir. Deveria ter sido melhor eu simplesmente partir quando você fechou as portas, assim pelo menos, eu poderia voltar a enxergar que nem sempre colocar a quem se ama na frente de tudo, é o certo a fazer.

E mais uma vez, uso a escrita para espairecer e tentar controlar a dor de não deixarem eu dar o melhor de mim, mas dessa vez, depois de tantas vírgulas, coloco este ponto final.